Quem é Nelio Tombini


Nelio Tombini é psiquiatra, psicoterapeuta individual e de grupo. Palestrante focado em psicoeducação e consultor especializado em relações institucionais e corporativas. Autor do livro A Arte de Ser Infeliz, criou uma forma simples e verdadeira de se comunicar com as pessoas sobre problemas e questões que perpassam a vida de todos nós.

São esses insights que ele leva para suas palestras, e que têm como mote o tema Desarmando as Armadilhas Emocionais. Acredita que é possível transferir conhecimentos nesta área tão árida e pouco conhecida do psiquismo humano. São as ditas ferramentas que ele pretende ofertar para tornar a vida menos problemática.

Empresas como Unimed, Panvel, Petrobras, Tintas Killing, RBS e laboratórios Weinmann já contrataram suas palestras, além de instituições e órgãos públicos como Santa Casa, Prefeitura de Porto Alegre, Ajuris, Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, Universidade de Caxias do Sul, IPE, Amrigs, Federasul, Instituto de Estudos Empresariais e Hospital Mãe de Deus, entre outros.

O psiquiatra, escritor e palestrante desenvolve workshops sobre conflitos emocionais no trabalho e levou para o YouTube a série de vídeos “5 minutos com o psiquiatra Nelio Tombini”, nos quais aborda os aspectos emocionais vinculados ao cotidiano.

Se as armadilhas emocionais são inevitáveis, melhor aprender a desarmá-las, não é?

Nelio Tombini criou em 1989 o Serviço de Doenças Afetivas da Santa Casa de Porto Alegre, onde foi coordenador da Psiquiatria por 18 anos. Atualmente, desenvolve um projeto de suporte psicológico aos médicos residentes na Santa Casa. Fundou e dirige a Clínica de Psicoterapia Breve – Psicobreve.

Colaborador de vários veículos de comunicação, já escreveu artigos para o jornal Zero Hora, Jornal do Comércio, Pioneiro e NH. Tem inserções frequentes na Rádio e TV Gaúcha e na Band. Colunista do programa Happy Hour BandNews FM de Porto Alegre.

A arte de ser infeliz

...

Leia mais »




Quanto tempo você fica chateado quando as coisas não saem bem?

Mesmo sendo cultos, inteligentes e tendo dinheiro, podemos ser analfabetos emocionais.

O poder pode destruir relações, mas a potência resgata! Saiba como.

Quando chefes são mandões, os colaboradores aparentemente se submetem, entretanto, estão prontos para sabotarem.